sábado, 15 de agosto de 2009

Show - Naná Vasconcelos e Sa Grama - Teatro de Santa Isabel (12/08/09)




Qualquer superlativo, ou melhor, conjunto de superlativos seria muito pouco(!) para expressar a genialidade musical do percussionista Naná Vasconcelos. Acompanho sua trajetória musical desde o já longínquo ano de 1977, quando ele participou do merecidamente super elogiado álbum "Dança das cabeças" de Egberto Gismonti, sigo literalmente seus passos, tendo em vista que tive o prazer de desfrutar algumas caminhadas matinais na aprazível praia de Boa Viagem, cidadão do mundo por muitos anos, ele agora voltou ao lar doce lar das cidades de Recife e Olinda.
Durante estes anos, perdi a conta dos inúmeros shows que assisti deste grande artista, no âmbito da música popular, camerística ou erudita, só, em duo, trio ou dividindo o palco com outros artistas, como agora com o grupo instrumental Recifense "Sa Grama" e em todos os casos o prazer de assisti-lo é sempre inigualável, inovador, seus shows sempre repletos de improvisos nunca se repetem, mesmo quando apresenta músicas já conhecidas como "Vamos para a selva" e "Som da chuva na selva" que arrepia qualquer um que o assista, mesmo por mais de uma vez.
Este show fez parte das comemorações dos 79 anos do CPM - Conservatório Pernambucano de Música e mesmo sendo de música popular se justifica pois o "Sa Grama" é um grupo nascido dentro do CPM, seus integrantes foram alunos e alguns hoje são professores do Conservatório.
O "Sa Grama" tem suas raízes musicais na música armorial, estritamente instrumental e com levada do som feito nos anos 70, predominantemente nordestino recheado de baião, caboclinho e maracatus, sem esquecer do frevo, é um deleite para os ouvidos mais afinados e exigentes. A qualidade dos seus músicos e a unidade entre eles são uma grande característica do grupo.
O Show foi puro prazer, Naná dominou a plateia desde o início, tocando e envolvendo todos na já citada "Som da chuva na selva", depois de tocar mais quatro músicas só, passou a bola, com o jogo já ganho para o Sa Grama que mostrou músicas do seu novo cd "Chão batido, palco picadeiro" que não podia exprimir melhor o som lá ouvido, para terminar, Naná voltou ao palco e juntos tocaram mais três músicas, sendo uma um maractu de arrepiar e para o bis, claro, não poderia deixar de ser um frevo que animou a já entusiasmada e animada plateia que lotou o Teatro de Santa Isabel, na saída ficava claro na expressão e rosto de que todos desfrutaram de uma noite mágica e isso tudo com entrada gratuita. Recife tem algumas vantagens, essa é uma delas.

2 comentários:

  1. Deu prá ficar com água na boca.

    ResponderExcluir
  2. Pois é Marcão, pensei em você, sei que você iria gostar muito.

    Abraços

    ResponderExcluir